Dicas para fazer a vistoria em imóvel alugado

Cuidados são essenciais para não cair em ciladas e acabar gastando o que não estava combinado

Engana-se quem pensa que a vistoria em imóvel é feita apenas quando é comprado. É fundamental fazer um laudo de vistoria também em imóveis alugados. Nesse caso, inquilino e proprietário devem listar todas as condições de conservação do imóvel, o que torna parte integrante do contrato de locação. Segundo Cláudio Furlanetto, Diretor de Administração de Aluguel da Construtora e Imobiliária Bambuí, a prática da vistoria é uma garantia que o imóvel alugado está habitável e evita dores de cabeça no futuro.

É preciso estar atento a todos os detalhes

“A vistoria é um tipo de inspeção que deve ser feita antes de se mudar para o imóvel alugado. Se o problema for causado por conta de problemas estruturais do imóvel, as despesas ficam a cargo do proprietário. Mas se os danos foram causados pelo inquilino, ele deve arcar os custos do conserto. Por isso, o inquilino deve estar atento a todos os detalhes para não sair no prejuízo depois. É importante que o locatário/inquilino faça a conferência da Vistoria Inicial e apresente a retificação por escrito respeitando o prazo previsto no contrato de locação, para que a Imobiliária possa providenciar a conferência dos itens apontados”, afirma Cláudio Furlanetto, Diretor de Administração de Aluguel da Construtora e Imobiliária Bambuí.

Veja as 9 dicas para quem vai alugar um imóvel:

1) Vistoria – Faça a conferência da vistoria inicial em um dia tranquilo, com calma e hora previamente agendada. “Muitos inquilinos se deixam envolver pela emoção e acabam esquecendo que precisam olhar todos os ambientes do imóvel para que as correções e/ou ajustes sejam feitos”, afirma o Cláudio Furlanetto.

2) Faça uma lista de todos os pontos vistoriados – “Ao realizar a vistoria no imóvel alugado, o inquilino deve dispor de todas as informações do imóvel no contrato de locação. Caso o inquilino detecte problemas, deve apresentar a retificação, dentro do prazo estipulado, com os itens para a conferência do Vistoriador”, sugere o diretor.

Faça anotações sobre todos os ambientes, destacando o estado em que os encontrou

3) Esquadrias alumínio/madeira – Confira todas as janelas e portas, se apresentam arranhões e pinturas danificadas. Teste o funcionamento, abrindo e fechando as portas. “Para verificar se há algum vazamento nas esquadrias, uma dica é fechar todas as venezianas deixando o cômodo escuro e checar se há algum ponto em que a luz passa com maior intensidade, o que pode ocasionar vazamento em dias de chuva”, exemplifica.

4) Instalações Elétricas – Com relação a parte elétrica do imóvel é imprescindível testar todas as tomados, interruptores e bocais para checar se a energia está funcionando perfeitamente. “No caso de imóveis muito antigos, veja se será necessária a troca imediata da rede elétrica para que suporte a energia exigida pelos novos aparelhos eletrônicos”, alerta Furlanetto.

5) Instalações Hidráulicas – Ao entrar no imóvel, ligue todas as torneiras e deixe a água sair por cerca de dois minutos para verificar se não existem vazamentos nos sifões. Verifique também se as torneiras não estão quebradas ou rachadas. Já nas descargas das bacias sanitárias, acione e veja se a vazão d’água é satisfatória, repetindo o acionamento na sequência por mais uma vez para ter certeza do bom funcionamento. Também vale a pena procurar por vazamentos, infiltrações e rachaduras.

Vazamentos não detectados podem custar muito caro pra você depois. Fique atento no momento da vistoria!

6) Revestimentos cerâmicos e rejuntes – Avalie visualmente se não existem peças danificadas, com trincas, rachadura e manchas ou mofos nas paredes e tetos. “Além das rachaduras nos tetos e manchas mofos nas paredes é preciso ficar atento as deformações nas estruturas. É preciso exigir que o laudo da vistoria esteja pronto e que seja entregue, antes de assinatura”.

7) Contra piso – Segundo Cláudio, além da avaliação visual, para testar o contra piso, basta bater com o cabo da vassoura na cerâmica para ver se existe algum ‘ponto com som cavo’, o que pode provocar descolamento das peças e, no caso do revestimento cerâmico, impactos mecânicos.

8) Pintura – Verifique visualmente a planicidade das paredes, se não existem pontos que formam sombras. Caso existam falhas na pintura, como manchas, deve ser solicitada a correção. “E para lembrar onde eram os pontos de correção, fotografe e anote”, reforça.

Se você ainda tem dúvidas sobre comprar ou alugar um imóvel, confira nossas dicas clicando aqui.

 

 

 

Comentários

Comentários

Escrito por Apartamento103

Rodrigo, Samanta e Vinícius são os habitantes do Apartamento103 em sua versão física e virtual. Uma família que já existia antes mesmo de nascer e que se (re) descobre a cada dia.