Cinco dicas para viajar com seu animal de estimação

A viagem pode ser muito tranquila e divertida para toda a família

Você sempre quis viajar com seu animal de estimação mas tinha medo que o bichinho não aguentasse a viagem ou simplesmente não sabia por onde começar para planejar a viagem do seu pet, não se preocupe: a diretora técnica do Hospital Popular Veterinário do Rio de Janeiro-RJ, Virgínia Tavares, dá dicas para garantir a saúde e bem-estar do seu animalzinho durante todas as viagens.

  • Procure o veterinário e o informe sobre o local da viagem. Dependendo do lugar, há necessidade de vacinas ou medicações preventivas. Muitas doenças são endêmicas em certas regiões;
  • Em viagens de carro, evite oferecer alimentação duas horas antes das viagens. Para animais sensíveis à movimentação, procure saber sobre medicações que evitem vômito ou mal-estar do seu pet e aplique, caso seja necessário;
  • Nas viagens de carro, realize paradas para que ele possa beber água e urinar;
  • Nunca deixe seu pet sozinho ou trancado no interior do carro;
  • A identificação do seu pet, por meio de plaquinhas presas na coleira, contendo o nome dele, do seu tutor e o telefone são medidas simples e fundamentais para evitar transtorno na viagem.

Viagem de avião

O transporte de animais deve ser reservado com antecedência junto à companhia aérea porque há um limite máximo de cargas vivas por voo. Cada empresa tem regras específicas, mas, de modo geral, são parecidas. Existe custo adicional para transporte do animal, normalmente calculado com base no peso do animal mais caixa de transporte e no preço cheio da passagem. Confira a necessidade de o animal usar focinheira nas dependências do aeroporto e durante o voo.

O que determina se o animal viajará na cabine, quando permitido, ou no compartimento de carga são as dimensões e o peso da caixa de transporte. Se este for o caso, não se preocupe: os compartimentos de carga modernos, assim como as cabines, são pressurizados e têm temperatura controlada, proporcionando relativo conforto ao animal.

A caixa de transporte, fornecida por você, deve cumprir alguns requisitos mínimos para garantir o conforto e a segurança do animal durante a viagem. Primeiro, suas dimensões devem permitir que o animal fique de pé e dê um giro de 360° – volta completa – ao redor de si mesmo. Deve ser de material rígido, suficientemente resistente para proteger o animal de impactos e para impedir a fuga deste.  Os fechos devem evitar que o contêiner abra por acidente e as aberturas de ventilação devem garantir a segurança do operador que carregará a caixa, impedindo que o animal o ataque. O material do piso deve absorver ou conter fezes e urina, de modo que não vazem.

 

Comentários

Comentários

Escrito por Rodrigo Rebelo

Carioca, marido, pai, boleiro e, sempre que possível, presente nos tatames de jiu-jitsu. Além de marketar há alguns anos, também lavo, passo, mas não cozinho - prefiro evitar que a cozinha exploda. Apaixonado e dedicado em sempre arrancar um sorriso daqueles que amo.